Atlético-MG muda estilo com Rui Costa, que chega com bagagem e experiência como dirigente

Uma nova história no departamento de futebol profissional do Atlético-MG começa nesta sexta-feira. Após o primeiro treino visando ao clássico contra o Cruzeiro, neste domingo, às 16h (de Brasília), no Mineirão, pela decisão do Campeonato Mineiro, o clube alvinegro vai apresentar Rui Costa como novo Diretor de Futebol. É mais uma tentativa para ajustar a questão organizacional dentro do Galo.

+ Leia mais notícias do Atlético-MG

Rui Costa chega para assumir a posição que vinha sendo ocupada por Marques desde o fim da temporada passada. Ex-jogador do Atlético-MG, Marques agora passa a ocupar o cargo de Gerente de Futebol.

A escolha de Sérgio Sette Câmara por Rui Costa muda um pouco do perfil de diretor de futebol que o Atlético-MG vinha apostando desde o afastamento e morte de Eduardo Maluf. Nomes como Alexandre Gallo, André Figueiredo e até o diretor de comunicação, Domênico Behring, foram testados no setor, mas nenhum teve sucesso. Marques foi a última escolha, mas, assim como os outros, não tinha tanta experiência no meio futebolístico.

Rui Costa foi diretor executivo da Chapecoense — Foto: Alexandre Lozetti

Rui Costa foi diretor executivo da Chapecoense — Foto: Alexandre Lozetti

Diferentemente das últimas opções, Rui Costa vem trabalhando há bastante tempo no ramo e fazendo bons trabalhos. O início dele foi no Grêmio, onde deixou de ser advogado e assumiu o cargo de diretor executivo. Homem de confiança de Fábio Koff, ficou no clube gaúcho por três anos e meio e não ganhou nenhum título, mas levou importantes jogadores para o clube, como Geromel (zagueiro), Alex Telles (lateral), Dudu e Giuliano (meias) e Eduardo Vargas (atacante). O trabalho do dirigente é bem visto no clube gaúcho, e há quem diga que ele teve um papel importante na construção do elenco campeão da Copa do Brasil de 2016, justamente sobre o Galo.

Depois do Grêmio, Rui Costa foi o responsável pela reconstrução da Chapecoense após o acidente com o voo da Lamia, na Colômbia. No ano seguinte à tragédia, fez uma boa remontagem do elenco, que culminou na classificação para a Libertadores, em 2018. No entanto, eliminado na primeira fase e com um início ruim no Brasileiro, acabou saindo do clube em agosto daquele ano.

Da Chape para o Furacão. Foi esse o caminho que Rui Costa fez, mas ficou apenas seis meses no Athletico. Nesse período, fez toda a negociação do contrato do técnico Tiago Nunes com o clube e participou da conquista da Copa Sul-Americana, no ano passado. Na saída, Rui Costa e a diretoria do clube paranaense falaram pouco sobre o tema.

No Galo, Rui Costa terá a oportunidade de comandar novamente o futebol de um dos grandes clubes do futebol brasileiro. Sem dinheiro para grandes investimentos, o dirigente vai ter que usar muita criatividade para reforçar o elenco. No entanto, o primeiro desafio será a contratação do novo técnico, já que a escolha terá o seu crivo.

Fonte: globoesporte

Notícias Relacionadas