Após entregar Assange, Equador sofre 40 milhões de ataques cibernéticos

O Ministro de Informação e Tecnologias de Comunicação do Equador Patricio Real afirmou que até ontem (15) o país havia recebido mais de 40 milhões de ciberataques após ter permitido que Julian Assange, fundador do WikiLeaks, fosse preso pela polícia britânica. Assange estava vivendo como refugiado político na embaixada do Equador em Londres desde 2012.

Aparentemente, a grande maioria dos ataques foi do tipo DDoS, conhecidos também como ataques de negação de serviço

Os ataques aconteceram em protesto contra a remoção da proteção diplomática que o Equador deu para Assange nos últimos 7 anos e partiram de países como os Estados Unidos, Holanda, Alemanha, Romênia, França, Austria, Reino Unido e, claro, Brasil. Lenin Moreno, presidente do Equador, decidiu não mais dar asilo político ao ciberativista acusando-o de interferir nos processos de outros Estados e de espionagem.

Aparentemente, a grande maioria dos ataques foi do tipo DDoS, conhecidos também como ataques de negação de serviço, que sobrecarrega um sistema e o torna indisponível para seus usuários. Não foi relatada nenhuma tentativa bem-sucedida de deletar ou furtar dados do governo equatoriano.

Fonte: TecMundo

Notícias Relacionadas