TJRJ julga nesta 3ª recurso de Flávio Bolsonaro no caso Queiroz

O TJRJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) julgará nesta 3ª feira (16.jul.2019) 1 habeas corpus impetrado pela defesa do senador Flávio Bolsonaro. O recurso faz parte da investigação por suposta movimentação ilegal de dinheiro.

O julgamento será na 3ª Câmara Criminal do TJ. Ela é formada por 5 desembargadores, entre eles o relator do caso, Antônio Carlos Nascimento Amado.

Flávio pede a suspensão da quebra de sigilo bancário, pedida pelo MPE (Ministério Público Estadual) em abril. O caso remonta à época em que o pesselista era deputado estadual no Rio. O filho 01 do presidente Jair Bolsonaro e mais 85 pessoas e 9 empresas são investigadas pelos crimes de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Enquanto trabalhava na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), o então deputado teria praticado a chamada “rachadinha”, prática em que funcionários fantasmas repassam parte do salário de volta ao gabinete.

Os supostos crimes teriam sido praticados entre 2007 e 2018, quando o policial militar Fabrício Queiroz trabalhou como assessor no gabinete de Flávio, de quem é amigo. Queiroz é apontado como o operador do esquema.

Filho mais velho de Bolsonaro, Flávio já teve 2 recursos negados pelo desembargador Antônio Amado. Em junho, o relator rejeitou liminar da defesa do senador justamente contra a quebra de sigilo. Já em abril, Amado negou outro pedido dos advogados, que alegavam que a Justiça teria obtido dados sigilosos antes da autorização judicial.

O CASO QUEIROZ

Relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), fruto do desdobramento da operação Furna da Onça, ligada à Lava Jato no Rio, apontou operações bancárias suspeitas de 74 servidores e ex-servidores da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), entre eles, Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro.

Segundo o relatório, 8 assessores e ex-assessores de Flávio Bolsonaro fizeram depósitos na conta bancária de Queiroz, o que levantou a suspeita de recolhimento de parte do salário de funcionários do gabinete do filho mais velho do presidente. O senador negou a prática em seu gabinete.

O ex-assessor do filho mais velho do presidente também teria movimentado, de janeiro de 2016 a janeiro de 2017, R$ 1,2 milhão. Uma das transações era 1 cheque de R$ 24.000, que foi destinado à hoje primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

Queiroz foi funcionário de Flávio Bolsonaro por uma década como motorista e segurança do parlamentar. Ele também é amigo do presidente Jair Bolsonaro desde 1984. Segundo o presidente, ele emprestou dinheiro a Fabrício Queiroz “mais de uma vez” e a movimentação aponta, na verdade, transferência de 10 cheques de R$ 4 mil.

Flávio Bolsonaro também passou a ser investigado no caso. A investigação iniciou no Núcleo de Combate à Corrupção da Procuradoria da República no Rio de Janeiro, determinada pela procuradora regional da República Maria Helena de Paula quando era coordenadora criminal do MPRJ. Foi aberta com base em movimentações financeiras do filho do presidente.

Fonte: msn

Notícias Relacionadas