Concorrência com Brasileirão atrapalha final do futebol feminino

Torcedor do São Paulo precisa escolher se apoia time na final feminina, contra Cruzeiro, ou se marca presença na estreia de Daniel Alves pelo clube

A concorrência com o futebol masculino está atrapalhando o público no futebol feminino. Neste domingo (18), por exemplo, o jogo entre São Paulo e Cruzeiro, pela final da Série B do Campeonato Brasileiro feminino, disputa a preferência do público com o duelo entre São Paulo e Ceará, pelo Campeonato Brasileiro masculino.

Devido aos horários das partidas, o torcedor ficou em uma encruzilhada. A final feminina será disputada às 14h, no Pacaembu. Já o jogo masculino começa apenas duas horas depois, às 16h, no Morumbi. Ou seja, é inviável marcar presença nos dois estádios, separados por mais de 10 km de distância.

Como se não bastasse a concorrência com o masculino, a final feminina enfrenta outro problema para atrair o público no Pacaembu. A partida contra o Ceará vai marcar a estreia de Daniel Alves pelo São Paulo. O lateral-direito é apontado como a maior contratação do clube do Morumbi neste século, superando Kaká e Alexandre Pato, por exemplo.

Pressão da torcida

Após eliminar o Palmeiras na semifinal da Série A-2, no último domingo (11), o elenco são-paulino iniciou uma campanha para disputar a final contra o Cruzeiro no Morumbi. Milhares de torcedores abraçaram a iniciativa e também fizeram campanha nas redes sociais.

Apesar do aval de Leco, presidente do clube, a ideia não foi colocada em prática por causa da grade de televisão. A dona dos direitos de transmissão do futebol feminino transmite os jogos aos domingos, às 14h.

Na teoria, o Morumbi poderia receber as duas partidas neste domingo, às 14h e 16h. Nesse cenário, o torcedor teria um ótimo motivo para chegar mais cedo ao estádio, valorizando a final feminina. No entanto, os protocolos da CBF inviabilizaram essa alternativa. A entidade máxima do futebol brasileiro exige a liberação do gramado para aquecimento das equipes pelo menos uma hora antes do início do jogo.

Sem espaço para as mulheres

Vale destacar que o futebol feminino do Corinthians enfrentou o mesmo problema recentemente. Em 21 de julho, o Timão enfrentou o Flamengo pelo Brasileiro feminino, às 14h, no Pacaembu. No mesmo dia, às 16h, o Alvinegro mediu forças contra o Rubro-negro, em Itaquera, pelo Brasileiro masculino.

Apesar do crescimento do interesse no futebol feminino, os principais estádios da capital paulista não abrem espaço para as mulheres. São Paulo e Palmeiras recriaram o time feminino em janeiro deste ano e ainda não entraram em campo em seus respectivos estádios: Morumbi e Allianz Parque. Já o Corinthians não joga em sua arena, em Itaquera, desde o ano passado.

Fonte: R7

 

Notícias Relacionadas