Pânico está ligado à China

O derretimento que tomou conta ontem dos mercados financeiros globais teve como causas imediatas dois indicadores que frustraram as expectativas dos investidores: o menor crescimento industrial chinês em 17 anos e sinais de encolhimento na economia alemã. Mas suas raízes são mais fundas. Estão na guerra comercial e cambial entre Estados Unidos e China e no esgotamento dos mecanismos financeiros adotados depois da crise de 2008.

Pela primeira vez desde as vésperas daquela crise, houve uma inversão na curva de rendimentos oferecidos pelos papeis do governo americano, conhecidos como “treasury bonds” ou simplesmente “treasuries”. Por um breve período, quem emprestasse dinheiro ao Fed – o Banco Central americano, que emite os “treasuries” – receberia mais dinheiro se ficasse apenas dois anos com os papeis do que se os segurasse por dez.

Logicamente, não faz sentido alguém receber menos por um empréstimo de prazo maior. Quando ocorre tal inversão, o mercado demonstra mais confiança no curto que no longo prazo. Isso significa que prevê menos crescimento nos anos futuros. Em geral, trata-se de um sinal de recessão à vista. A última recessão nos Estados Unidos foi sentida seis meses depois de uma inversão semelhante de curva.

Desta vez, o contexto é outro. A principal diferença é a disputa que o presidente Donald Trump iniciou em julho de 2018, ao impor a primeira rodada de tarifas sobre a importação de produtos chineses. Desde então, duas outras rodadas deixaram US$ 250 bilhões sujeitos a taxas.

A ameaça de novas tarifas ainda paira sobre outros US$ 300 bilhões, perfazendo quase todas as importações chinesas. Trump também incluiu a chinesa Huawei, líder na quinta geração da telefonia celular, numa lista que a sujeita a restrições para vender produtos e tecnologias a empresas americanas.

Em contrapartida, o líder chinês, Xi Jinping, retaliou com tarifas impostas sobre US$ 110 bilhões em importações americanas e reduziu as taxas de importação para outros países. Mas a principal arma de Xi para retaliar contra Trump tem outra natureza: está no mercado financeiro.

Na visão mercantilista de Trump, déficits comerciais como o que os Estados Unidos mantêm com a China são nocivos por prejudicar a indústria americana. Trata-se de uma visão parcial e incorreta da relação entre as duas economias. É verdade que setores relevantes politicamente para Trump são prejudicados pela competição com a China. Mas o país como um todo é beneficiado por comprar produtos mais baratos e pela principal contribuição chinesa: capital.

Ao mesmo tempo que importa produtos chineses, os americanos também importam poupança, usada para cobrir a dívida pública ou para investimentos nos Estados Unidos. A China tem sido ao longo das últimas décadas a principal credora do Fed. O equilíbrio comercial e financeiro que mantém as duas potências mutuamente dependentes foi apelidado “Chimérica” (“quimera” entre China e América).

A guerra comercial provocou uma tensão inédita na relação. Apesar da economia aquecida e do alto nível de emprego, o Fed reduziu em julho, pela primeira vez desde a crise de 2008, as taxas de juro que paga para tomar dinheiro emprestado. O capital chinês tem saído do país.

Desde a última ameaça tarifária de Trump, houve duas reações chinesas. A primeira foi aceitar uma desvalorização da própria moeda acima do patamar simbólico de 7 iuanes por dólar, de modo a tentar proteger seu próprio setor industrial. Ainda assim, o crescimento de 4,8% registrado no último ano é o mais baixo desde 2002.

A segunda reação tem sido vender “treasuries”. De acordo com os últimos números publicados pelo Fed, entre março e maio os chineses se desfizeram de US$ 20,8 bilhões em papeis da dívida americana. No último ano, o total de “treasuries” em poder da China caiu US$ 73 bilhões, para US$ 1,11 trilhão, o menor valor desde 2017.

Ao classificar a China como “manipuladora cambial”, para poder lançar mão de medidas mais duras de retaliação, Trump correu um risco que poderá ter consequências dramáticas. É verdade que os chineses não deixarão de financiar a dívida pública americana, simplesmente porque os “treasuries” são considerados o ativo mais seguro do mercado (a reação à crise de 2008 foi prova disso). Mas eles não precisam vender tudo o que têm para provocar um estrago considerável.

O equilíbrio da “Chimérica” revela ser frágil demais num mundo cujas regras são ditadas pela política protecionista da Casa Branca. No cabo de guerra entre Estados Unidos e China, os elos que mantiveram atados os fluxos comerciais e financeiros durante a globalização das últimas décadas se esgarçam. Trump não toma o cuidado de desfazer os nós com cautela, embora esteja na posição de primeira vítima a ser derrubada pelo coice, se houver ruptura súbita.

Fonte: G1

Notícias Relacionadas