Torcedores entram na Justiça contra o Flamengo por causa de prioridades na venda de ingressos

Rubro-negros sócios-torcedores e não sócios processam clube antes da semifinal da Libertadores

Mais de um milhão de ingressos vendidos em 2019; dono de nove dos 10 maiores públicos do Brasil esse ano; recorde de seu programa de sócio-torcedor que já tem quase 150 mil inscritos… Mas nem todos os torcedores do Flamengo estão satisfeitos. Nas últimas semanas, o clube vem sendo alvo de ações judiciais por causa da prioridade na venda de ingressos, o que vem deixando muitos de fora da semifinal da Libertadores contra o Grêmio, nos dias 2 e 23 de outubro.

O Flamengo ainda não comunicou que acabaram os ingressos para o jogo de volta, no Maracanã. A última parcial divulgada foi na segunda-feira e já tinha 50 mil bilhetes comercializados. No site oficial do programa de sócio-torcedor, todos os setores do estádio já apareciam como esgotados antes mesmo da data de abertura da venda para os planos “Amor”, “Raça” e “Onde Estiver”. E a maior parte das reclamações se dá devido ao pacote de 15 jogos do Campeonato Brasileiro.

Mensagem que circula na internet na aquisição do pacote não especificava mando de campo — Foto: ReproduçãoMensagem que circula na internet na aquisição do pacote não especificava mando de campo — Foto: Reprodução

Mensagem que circula na internet na aquisição do pacote não especificava mando de campo — Foto: Reprodução

Anunciado em junho para sócios, a preços entre R$ 300 e R$ 3.000, o pacote dava prioridade máxima na compra de ingressos para jogos da Copa do Brasil e Libertadores. Agora que membros de planos inferiores não estão conseguindo comprar, mesmo com longo período de fidelidade, parte deles já está dando entrada na Justiça, como relatou o advogado Luis Felipe de Souza, membro da Comissão de Direito do Consumidor da ABA-RJ (Associação Brasileira dos Advogados):

– A gente está para discutir essa questão porque o Flamengo acabou lesionando antigos sócios e vai ter uma demanda muito grande judicialmente. Vamos supor, quem é “Raça” deixou de ser prioridade 3 porque quem era inferir se tornou primeiro, então a pessoa passou a ser prioridade 4. Se 30 mil compraram o pacote e você estava para disputar ingresso com 10 torcedores antes, agora vai disputar com 30. No meio do jogo não pode mudar a regra, existe uma propaganda enganosa referente ao sócio. Já tenho uns 10 processos para distribuir assim – explicou Souza, que é sócio “Raça” e também já moveu uma ação em causa própria contra o clube por outro problema:

– A minha ação especifica foi pautada em um erro para compra de ingressos. Aconteceu comigo contra o Corinthians na Copa do Brasil, mas consegui comprar em um segundo momento, e contra o Inter na Libertadores. Comprei para a minha namorada e para mim cinco minutos depois com o mesmo cartão, mas derrubaram a minha compra. Minha namorada deixou de ir nesse jogo para trocar comigo. E quando você vai conversar com o clube, falam que é culpa do administrador de ingresso. Mas meu contrato é com o Flamengo, não com outra empresa.

Na tarde desta sexta-feira, o Flamengo também vai abrir a venda para o jogo de ida na Arena do Grêmio. O clube tem direito a uma carga de 4 mil ingressos, que já foram comprados pela diretoria para serem revendidos aos sócios, separados em um plano para cada dia. Porém, diferentemente do que houve nas quartas de final contra o Inter no Beira-Rio, desta vez sem prioridades para quem comprou o pacote do Brasileiro. O que motivou outras ações judiciais.

– Estou decepcionado com a oferta que o Flamengo fez para os sócios-torcedores, em comprar e apoiar ainda em junho, e simplesmente tirar essa prioridade do torcedor. Inclusive sou sócio desde 2013, vou a todos os jogos e agora não vou poder por decisão unicamente do Flamengo. Entrei com tutela de urgência para garantir tanto a prioridade em Porto Alegre quanto de uma eventual final caso o Flamengo passe – contou o advogado Vitor Lima, que é sócio do plano “Raça”, comprou o pacote do Brasileiro e também entrou em causa própria.

Outro advogado que entrou junto de um cliente, mas que pediram anonimato, são LO e DA. Ambos são sócios do plano “Amor”, e LO chegou a comprar passagem e reservar hotel em Porto Alegre, como já havia feito contra o Inter. Eles entraram com solicitação de tutela antecipada para garantir o direito à prioridade na venda que começa nesta sexta, mas tiveram o pedido indeferido e vão mover outra ação para recuperarem o prejuízo e serem indenizados:

– No mesmo site oficial onde publicaram que não haveria prioridade contra o Grêmio, constam orientações para prioridade no jogo contra o Inter, na mesma competição e cidade. Inclusive isso está na nossa ação. Considerando que essa política seria mantida, e a gente percebeu que as passagens aéreas estavam subindo de valor, eu comprei passagem e fiz reserva no hotel para o jogo em Porto Alegre. Só que sem a prioridade não vou conseguir comprar ingresso. Como a tutela antecipada não foi deferida, essa ação vai perder objeto, vai ser extinta, vou ter que entrar com outra ação pedindo indenização e dano moral – contestou LO.

Notícias Relacionadas