RELACIONAMENTO ABUSIVO: PROJETO ESCOLAR DEBATE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

Nas últimas quarta (2) e quinta (3), o PROJETO VIOLÊNCIA CONTRA MULHER: MINHA VIDA TEM VALOR, MEU CORPO NÃO TEM PREÇO da EEEP Padre João Bosco de Lima promoveu roda de conversa com todos os estudantes de 2º anos da instituição. Na roda de conversa foram trabalhados temas relacionados à violência contra a mulher.

Participou da ação a equipe multiprofissional do Centro de Referência da Mulher: Welinadia Rodrigues, psicóloga, Samille Moraes, assistente social, Carolline Sobreira, Advogada e Isabel Maranhão, Coordenadora do Centro de Referência da Mulher. Dentre as temáticas desenvolvidas nas rodas de conversa, um das mais apreciadas pelos estudantes tratou-se de relacionamentos abusivos.

As profissionais colocaram que esse tipo de relacionamento prejudica a saúde psíquica, sobretudo das mulheres – vítimas mais comuns. Porém, ressaltaram que homens também sobre com abusividade nas relações, bem como, relacionamentos abusivos independem de orientações sexuais, podendo estar presente, inclusive, nas relações homoafetivas.

Para a aluna Caroline Gomes, a roda de conversa foi significativa, pois conscientizou a ela e a seus colegas sobre relacionamentos abusivos e violências sociais contra a mulher. “Algo marcante para mim foi quando se falou sobre a cultura do estupro em que a mulher, devido a preconceitos culturais e sociais – quase sempre – é responsabilizada pela violência sofrida: ‘se saiu sozinha a noite, deu cabimento. Se usa roupa curta, merece ser estuprada’. Ora, se isso fosse verdade, mulheres com burca não sofreriam violência. Crianças não seriam estupradas! A culpa é do agressor e a sociedade precisa entender isso!”, defendeu a estudante.

VIOLÊNCIA CONTRA MULHER: MINHA VIDA TEM VALOR, MEU CORPO NÃO TEM PREÇO é um projeto da EEEP Padre João Bosco de Lima e tem como público alvo os alunos de 2º anos da própria instituição. A ideia é fazer – ainda no mês de outubro de 2019 – que ele ultrapasse os muros da escola.

A ação foi marcada por dinâmicas, rodas de conversas, bate papo e embasamento científico sobra a cultura da heteronormatividade e relacionamentos abusivos. Para saber mais sobre a ação e outras atividades promovidas pelo projeto, entre em contato com as professoras orientadoras Elaine Teles e Janaína Bacurau pelo telefone (88) 3552 1344.

Notícias Relacionadas