‘Desculpa por ser imperfeito’, diz empresário investigado por agredir funcionária grávida em restaurante de Fortaleza

Funcionária grávida de restaurante diz que foi agredida por empresário por recusar pedido após o fechamento do estabelecimento.

O empresário e gastrônomo cearense Rodrigo Viriato, chef do Café Viriato, se pronunciou em sua página pessoal do Instagram sobre o episódio de agressão envolvendo ele e funcionários do restaurante Le Cuisinier, de Fortaleza, ocorrido no dia 1º de novembro. Ele pediu “desculpa por ser imperfeito” ao final da declaração. O caso está sob investigação da polícia.

Um boletim de ocorrência foi registrado no 13º Distrito Policial e encaminhado para o 26º Distrito Policial realizar a investigação. Segundo a Secretaria da Segurança do Ceará, as vítimas da agressão foram ouvidas no 13º DP e encaminhadas para exames na Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce), na madrugada do sábado (2).

Conforme depoimentos das vítimas obtidos pelo G1, o empresário discutiu com funcionários e teria segurado uma funcionária grávida pelo pulso e pela blusa, proferindo xingamentos a ela e, por fim, a empurrado.

Viriato não cita o que ocorreu de fato no restaurante durante seu esclarecimento. O empresário diz que não vai entrar em detalhes do caso para não interferir na investigação policial.

“Esse foi um conflito de um aprendizado inenarrável, mas é um conflito sem vencedores”, comenta.

O empresário afirma que durante as duas últimas semanas muitas pessoas “jogaram pedras” nele. E que quem se pronunciou sobre o ocorrido foi “irresponsável”.

“Quem se referiu ao episódio até o momento foi irresponsável porque fez à revelia do pronunciamento de quem, de fato, tem dados. Quem tem dados é quem possui a imagem, é o delegado. Inclusive, eu tô em Fortaleza desde a semana passada e se tivesse sido na gravidade que as redes sociais difundiram eu já teria sido convocado, de imediato”, avalia.

Ele também aproveita o espaço para explicar situações citadas nas redes sociais envolvendo seu nome, como um caso de processo disciplinar pelo qual foi condenado na Universidade Federal do Ceará (UFC), onde é professor desde 2011.

“É um processo disciplinar porque me recusei a lecionar nessa cozinha. Essa cozinha, que eu fui obrigado nessa universidade a dar aula, inclusive [com]dois episódios de explosão de gás. E essas são as condições da universidade, que as pessoas pediram eu dar aula e eu me recusei”, diz Viriato enquanto mostra fotos que seriam da cozinha do curso de Gastronomia da universidade.

G1 entrou em contato com a UFC e aguarda retorno.

O empresário também disse que o caso envolvendo a denúncia de agressão “foi um aprendizado que valeu muito a pena”.

“As pessoas que jogaram pedras em mim, em qualquer ato que eu venha a ter cometido, hoje tenho a paz e a tranquilidade de saber que vocês são iguais a mim. Sem sentimento de vingança”, frisou.

E pediu desculpas. “Peço desculpa por tudo o que aconteceu, por quem se sentiu ofendido, porque, de fato, é um episódio perdedor. Mas, na verdade, sendo ressignificado, todo episódio se ele traz muito aprendizado ele se torna um episódio vencedor. Se a gente consegue ressignificar, se torna uma grande vitória”, refletiu.

Fonte:G1

Notícias Relacionadas