Pandemia da bala: Ceará registra 12 assassinatos no primeiro dia de julho

O primeiro dia de julho de 2020 foi marcado por mais violência armada no Ceará. Entre zero hora de quarta-feira (1º) e o começo da madrugada de hoje (2), ao menos, 12 pessoas foram vítimas de assassinato no estado. Nove pessoas tombaram sem vida na Grande Fortaleza e outras três no interior. Entre as vítimas estão três pessoas de uma mesma família, a mãe e seus dois filhos. Todos os 12 crimes foram praticados com armas de fogo.

Em Fortaleza, três homicídios mobilizaram as equipes de profissionais da Segurança Pública. Dois deles aconteceram em um só bairro, o Sapiranga-Coité. O terceiro, no bairro Jóquei Clube. Na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) seis pessoas acabaram mortas nos sequintes Municípios: Maranguape (triplo homicídio), Caucaia, Horizonte e Chorozinho.

Já no interior cearense, três assassinatos aconteceram nas últimas 24 horas nos Municípios de Aracoiaba, Juazeiro do Norte e Hidrolândia.

Triplo

Era por volta de 5 horas desta quarta-feira quando bandidos armados invadiram uma casa em um residencial popular conhecido por Babilônia, no Distrito de Amanari, e mataram três pessoas de uma mesma família. Os dois primeiros mortos, ainda no local, eram os irmãos Carlos Eduardo e Carlos Rafael Cassiano Cavalcante, com idades de 16 e 18 anos, respectivamente. Atingidos por vários tiros, eles morreram na hora.

A mãe dos dois rapazes, identificada como Liliane Paulino Barbosa, 37 anos, também foi atingida pelos tiros e foi corrida pelos vizinhos em estado grave. Transferida de Maranguape para Fortaleza, ela teria morrido no Instituto Doutor José Frota (IJF-Centro).

Em Chorozinho, também na RMF, o adolescente Mizael Fernandes Silva Lima, 13 anos, morreu ao ser atingido a tiros por policiais militares. O fato ocorreu por volta de 2 horas, na localidade de Salgados, próxima ao Triângulo de Chorozinho, na BR-116

Fonte: Cn7

Notícias Relacionadas