Com febre, Bolsonaro estaria com suspeita de Covid-19 e cancela agenda da semana

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) estaria com suspeita de Covid-19. Ele apresentou febre e cancelou a agenda da semana. O chefe de Estado fez novo exame do coronavírus nesta segunda-feira, 6, e já estaria tomando a hidroxicloroquina de maneira preventiva, ainda que não exista comprovação cientifica da eficácia do mediamento contra a doença. As informações sã da CNN.

 

O resultado do teste feito pelo presidente deve ser divulgado até às 12h desta terça-feira, 7. Bolsonaro ainda teria informado à CNN que acatou orientações de sua equipe de conselheiros e aliados e aceitou ser encaminhado ao Hospital das Forças Armadas na tarde de hoje. Na unidade de saúde, ele teria sido submetido a uma série de exames, incluindo uma ressonância magnética que não teria identificado nenhuma alteração que indicasse um comprometimento dos pulmões com relação à Covid-19.

Nas declarações à CNN, o presidente teria revelado ainda que estava com temperatura no entorno de 38ºC e indisposição. Apesar do quadro de suspeita de coronavírus, Bolsonaro manteve contato com a aglomeração de apoiadores que estava a sua espera na entrada do Palácio da Alvorada. Ação vai de encontro, mais uma vez, as orientações de isolamento social definidas como a principal forma de conter a propagação do vírus de acordo com entidades como o Ministério da Saúde e a Organização Mundial de Saúde.

Situação vem à tona após veto de Bolsonaro de outros dois artigos da lei sobre o uso de máscaras em lugares públicos para enfrentar a pandemia do novo coronavírus, que já não é mais obrigatória nas prisões superlotadas do país. O chefe de Estado também retirou a obrigação de as empresas exibirem informações sobre o uso correto da máscara, de acordo com a nova versão da normativa publicada no Diário Oficial da União (DOU).

Bolsonaro já havia vetado na última sexta os artigos da lei, aprovada pelo Congresso, que exigiam o uso de máscaras em lojas, fábricas e igrejas. Nesta segunda, a lei reduziu ainda mais sua área de aplicação, quando o artigo que previa o “uso de máscaras de proteção individual em estabelecimentos prisionais” foi excluído. Segundo o governo, ficará sob responsabilidade dos estados e municípios a adoção de medidas preventivas relacionadas às particularidades de cada setor.

O outro veto revogou um parágrafo que exigia que entidades e estabelecimentos apresentassem painéis informativos sobre o uso correto de máscaras e sobre o número máximo de pessoas permitidas em cada local. Vários estados impuseram o uso de máscaras por várias semanas, como forma de combater a disseminação da Covid-19, que já causou quase 65.000 mortes no Brasil.

Desde o início da pandemia, Bolsonaro minimiza a doença, participa de vários eventos públicos sem máscara, além de criticar as medidas de isolamento social implementadas em vários estados pelo período de mais de três meses.Um juiz anulou na semana passada a decisão que impunha o uso de uma máscara pelo presidente em locais públicos em Brasília, considerando-a desnecessária, pois isso já é obrigatório no Distrito Federal. No sábado, Bolsonaro publicou fotos em redes sociais em que ele é visto com o rosto descoberto, junto a vários ministros e com o embaixador de Washington em Brasília.

Após a divulgação da suspeita de coronavírus de Bolsonaro pela CNN Brasil, o grupo Bandeirantes de comunicação publicou em seu portal de noticias e nas redes sociais a declaração de que o presidente já teria obtido o resultado de um teste para Covid-19, tendo este sido positivo, e estaria aguardando apenas a contraprova, marcada para ser divulgada às 12h desta terça-feira, 7.

“Após o primeiro teste positivo, o presidente foi submetido a um novo exame no Hospital das Forças Armadas para confirmar, sem sobra de dúvida, que contraiu a doença”, afirmou a Banda em suas redes sociais. Apesar da declaração, a matéria com a informação do suposto teste positivo ficou inacessível no site da emissora.

Fonte: Opovo

Notícias Relacionadas