Athletico sai na frente contra o Libertad, mas precisa tirar lições para avançar na Libertadores; análise

O Athletico conquistou uma vantagem mínima na vitória por 2 a 1 contra Libertad-PAR, na Arena da Baixada, pelas oitavas de final da Libertadores. O resultado positivo traz, acima de tudo, lições para a equipe brasileira no jogo da volta na semana que vem, em Assunção.

O confronto na ida foi equilibrado e de oportunidades para os dois lados. Uma vitória para o time paraguaio também seria plausível, acima como o Furacão ter mais gols de diferença no placar.

O resultado curto reforçou que o encontro entre Athletico e Libertad é marcado pelo detalhe e também pela eficiência. Quem aproveitar melhor o (s) momento (s) de superioridade avança às quartas de final.

Vale destacar que esse é o quarto triunfo consecutivo na temporada e a série invicta de Felipão subiu para 12 jogos: nove vitórias e três empates. A última derrota rubro-negra foi em 14 de maio para o Fluminense.

A partida de volta está marcada para 5 de julho, terça-feira, às 21h30, no Defensores del Chaco, em Assunção, no Paraguai.

Eu acho que tivemos altos e baixos no jogo. Nós todos sabemos disso. Se fizermos isso no segundo jogo, iremos correr sérios perigos. Vamos conversar, mostrar no jogo situações que precisamos corrigir.

O gol de Vitor Roque no começo do jogo, em linda troca de passes pela direita e com assistência de Terans, deu a falsa impressão que o Athletico colocaria seu ritmo. Pedrinho até assustou em chute cruzado em seguida, mas o Libertad passou a controlar as ações.

A equipe alvinegra utilizava o lado esquerdo e o domínio no meio-campo para chegar com frequência. Melgarejo assustou de cabeça e em chute cruzado, mas foi Villalba quem aproveitou cruzamento, além da falha de posicionamento de Nico Hernández e Pedrinho, para deixar tudo igual.

Aqui, fica uma lição importante: ainda que com três técnicos diferentes, os oito gols sofridos pelo Athletico na competição foram de bola aérea: cinco de cruzamentos e três de faltas na área.

O Libertad seguia melhor e à vontade em campo, quando a bola parada colocou o Furacão em vantagem novamente. Em cobrança rápida, Cuello cruzou da direita, a bola passou pela área e chegou em Nico Hernández, que finalizou para as redes.

O gol atleticano tranquilizou o time, que quase ampliou com Cuello, que viu Martín Silva adiantado e acertou o travessão, e depois em jogada individual de Terans, com direito a chapéu e cruzamento de trivela, que Vitor Roque perdeu de cabeça. Um pecado. Diego Gómez ainda assustou em cabeçada.

A etapa final demorou um pouco para engrenar, mas teve momentos parecidos novamente com oportunidades dos dois lados. Erick encontrou Vitor Roque, que girou, ajeitou e chutou para Martín Silva espalmar.

Barboza respondeu, subiu sozinho e cabeceou perto da trave, em novo lance aéreo. Na sequência, Melgarejo recebeu na direita, avançou pelo meio e soltou uma pancada no travessão de Bento. O Athletico terminou melhor e obrigou o goleiro a fazer duas grandes defesas, em chutes de Cuello e Terans. No fim, o Libertad ativou o “modo chuveirinho” e não assustou mais.

Vamos jogar contra o Libertad da mesma forma. Sabemos como devemos nos comportar na bola parada, na saída de bola. Quando se enfrenta e se supera um obstáculo, se ganha mais confiança.


— Felipão

Athletico volta a campo contra o líder Palmeiras no sábado, às 21h, no Allianz Parque, pela 15ª rodada do Brasileirão. O Furacão é o terceiro colocado, com 24 pontos, a cinco do time alviverde.

Com informações do GE

Notícias Relacionadas