Redação do Portal

Redação do Portal

Ontem (14), sexta-feira, o projeto A Informação como Importante Aliada no Combate e Diagnóstico da Dengue, Chikungunya e Zika realizou mais uma ação. Desta vez os estudantes orientados pela professora Ana Narah Braga apresentaram a minifeira de ciências em que mostraram diversos aspectos acerca das doenças causadas pelo Aedes aegypti como Dengue, Chikungunya e Zika.

 

Na ocasião, expuseram para todos os 450 estudantes da EEEP Padre João Bosco de Lima e convidados, de maneira didática e interativa a origem, morfologia, ciclo biológico e comportamento do mosquito Aedes aegypti, a origem e estrutura viral dos agentes etiológicos dessas doenças, os tipos de mutações que os mesmos sofrem, os mecanismos de transmissão, as manifestações clínicas, bem como a fabricação de mosquitos transgênicos e de vacina; quais medidas podem e devem ser tomadas para evitar a procriação do mosquito e como é possível detectar os sintomas, identificando quais se aplicam a cada uma das três doenças causadas pelo Aedes aegypti.

 

“A apresentação dos meninos foi bastante proveitosa. O que mais gostei foi a demonstração do site feita pelos colegas, porque é uma forma de a gente saber mais sobre as doenças: de onde surgiram, principais sintomas e formas de evitá-las. Fiquei mais feliz ainda ao saber que o site será aperfeiçoado para tabletes e celulares. Assim fica mais fácil o acesso” comenta eufórico Wesley Pereira, estudante do 2º Agropecuária o qual ficou maravilhado com as demonstrações em 3D e com o site interativo.

 

Outro ponto bastante chamativo foi a exposição da microcefalia onde a não contenção do Aedes aegypti pode ser o vilão de quem ainda nem nasceu, deixando sequelas permanentes.

 

Mais que um projeto escolar que tem como tema Aedes aegypti: o vilão, as ações buscam trabalhar o protagonismo juvenil nas ações contra o mosquito e conscientizar a comunidade em geral para prevenir as doenças Dengue, Chikungunya e Zika, bem como, diagnosticá-las ainda na fase prematura, evitando danos irreparáveis e, até mesmo, o risco de morte.

 

 


A Prefeitura de São Paulo regulamentou em maio os serviços de transporte por carros particulares e o decreto do prefeito Fernando Haddad previa uma taxa de R$ 0,10 para cada quilômetro rodado. A partir de agora, esse valor mudará de acordo com o volume das corridas dos aplicativos, na tentativa de evitar o surgimento de monopólios. 

• Autorização da prefeitura deixará Uber um pouco mais caro em São Paulo
• Prefeitura de SP quer que Uber e apps de táxi aceitem pagamento via Bilhete Único

Cada operadora poderá rodar 7.500 quilômetros a cada hora. Ao passar desse limite, a taxa sobe 10% - de R$ 0,10 para R$ 0,11. A Prefeitura estipulou seis bandas de consumo e na mais cara, o aumento chega a 300%, ou R$ 0,40 por quilômetro.

Para o prefeito Fernando Haddad, essa é uma forma de incentivar a concorrência entre os aplicativos e evitar a monopolização do segmento. “Se o valor for repassado para o consumidor, a empresa sofrerá a concorrência de outras que estarão com a outorga mais baixa”, disse Haddad.

Além disso, é uma tentativa de inibir o crescimento desenfreado da frota de algum app. Ele afirmou que não pretende aumentar a arrecadação da prefeitura, mas evitar que "no curto prazo, joguem as tarifas muito para baixo para coibir a entrada de novas empresas ou sucatear o serviço de táxi".


Em nota ao 
G1, o Uber afirmou: 


"A nova resolução sobre o transporte individual de passageiros por aplicativo ainda não foi publicada, portanto a Uber não pode comentá-la. No entanto, é importante lembrar que limites arbitrários criam sistemas ineficientes, fazendo com que os preços subam para o consumidor, o número de viagens diminua para os motoristas parceiros e o incentivo para compartilhar viagens diminua, aumentando o número de carros nas ruas. O resultado disso é um mercado onde o usuário é punido por escolher o serviço em que ele mais confia".


A regulamentação da prefeitura estabelece um limite de quilômetros que as empresas de transporte por carros particulares podem rodar. São 27 milhões de quilômetros por mês, o equivalente ao que 5 mil táxis percorrem. Essa cota poderá mudar caso se note que os índices de trânsito estão aumentando ou diminuindo.


As novas regras serão publicadas no Diário Oficial da Cidade desta terça-feira (11).

 

Fonte: msn


A descoberta do caranguejo de água doce, kingleya attenboroughi, movimentou a área científica e também a imprensa caririense ao ser anunciada pelos pesquisadores Alysson Pinheiro, da Universidade Regional do Cariri (Urca), e Willian Santana, da Universidade do Sagrado Coração (USC), de Bauru (SP).

 

O crustáceo, encontrado no distrito de Arajara, em Barbalha, é uma espécie ameaçada de extinção, que mede aproximadamente sete centímetros. O professor William Santana conta que o caranguejo kingleya attenboroughi existe em pouquíssimos lugares, com um número reduzido de espécimes e, por causa do impacto do homem ao meio em que ele vive, é considerado ameaçado de extinção.

O caranguejo foi coletado durante o mês de abril, no Córrego do Arajara e em pequenos cursos de água da região. Recebeu esse nome em homenagem ao grande naturalista inglês David Attenborough, que completa 90 anos em 2016, considerado o padrinho do Soldadinho- do- Araripe.

 

Fonte: Okariri


O Governo Federal prepara uma campanha publicitária direcionada ao Nordeste para informar que a região vai entrar no sexto ano consecutivo de estiagem. Será a seca mais prolongada dos últimos 100 anos. A última crise foi entre 1910 e 1915.

O ministro da Integração, Helder Barbalho, não descarta um colapso na região metropolitana de Campina Grande (PB), com falta de água para o consumo humano já em abril, e problemas pontuais em Fortaleza. “Estamos monitorando para encontrar soluções para os grandes centros urbanos, nos quais pode ocorrer um colapso.”

A estratégia do governo com a campanha é evitar que o presidente Michel Temer seja responsabilizado pela falta d’água numa região em que é impopular. O governo avalia que, se preparar a população para o problema, a reação será minimizada. O ministro diz, contudo, que não tem informação sobre esse assunto.

Obras estruturantes e novas adutoras não ficarão prontas a tempo de resolver o problema, que bate à porta. O governo tem usado carros-pipa. São 6.800 atendendo 3.500 localidades. E se queixa de que alguns Estados não fizeram a sua parte.

 

Fonte: CearáAgora


Tropas do Exército poderão guarnecer as secções eleitorais em Fortaleza no próximo dia 30

O Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE-CE) vai analisar nas próximas horas a possibilidade de requisitar forças federais para garantir a segurança no segundo turno das eleições no Estado, que acontecerá em Fortaleza no próximo dia 30. O pedido  foi feito pelos juízes das zonas eleitorais da Capital.

O presidente da Comissão Permanente de Segurança do TRE, juiz de Direito Mauro Liberato, já analisou o pedido e deve levar a matéria para a análise e julgamento do Pleno daquela Corte. A matéria passará também pelo crivo da Presidência.

Antes disso, o próprio Ministério Público, através da Procuradoria Eleitoral, já havia acenado com esta possibilidade, diante de diversos episódios ocorridos no primeiro turno, entre eles, incidentes que geraram prisões e muita confusão envolvendo militantes, candidatos e a Polícia Militar, responsável pela segurança do pleito.

Exército ou FNS?

Caso o pedido seja aceito pelo TRE-CE deverá ser encaminhado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília, que tomará a decisão final.  Sendo então acatado, será decidido se o reforço virá da Força Nacional de Segurança (FNS) ou das Forças Armadas Brasileiras. Geralmente, quem faz este tipo de ação  é o Exército Brasileiro (EB).

No primeiro turno, a Polícia Federal registrou, ao menos, 64 ocorrências de crimes eleitorais, sendo os mais comuns a compra de votos, boca de urna, transporte ilegal de eleitores e propaganda irregular de candidatos.

Flagrantes

No Cariri, uma assessora da Primeira-Dama do Estado, Onélia Santana, foi detida por agentes da PF em uma pousada com cerca de R$ 50 mil em espécie, dinheiro que, supostamente, seria distribuído a eleitores para que votassem em um candidato a prefeito do Município de Barbalha (a 538Km de Fortaleza).

Em Fortaleza, um candidato a vereador (eleito), Zier Férrer (PDT), foi conduzido à sede da PF e contra ele lavrado um T.C.O. (Termo Circunstanciado de Ocorrência), por conta de distribuição irregular de material de campanha. Também na Capital, uma sargento da PM foi detida por um promotor eleitoral ao chegar para trabalhar na Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops), com uma camiseta que, na interpretação do promotor, fazia alusão ao candidato Capitão Wagner (PR), que é também policial militar.

Outra ocorrência grave envolveu militantes partidários em um ato de desacato e resistência à prisão, além de crime eleitoral, nas dependências do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), no bairro Benfica, em Fortaleza. No tumulto, se envolveu também o atual secretário estadual de Ciência e Tecnologia, Inácio Arruda, que acabou detido com uma filha e levados para a sede da PF, onde foram indicados em um T.C.O. pelos crimes de boca de urna e resistência à prisão.

 

Fonte:  CearáNews7


O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva minimizou a derrota do PT em diversas cidades do país e que resultou em um encolhimento político do partido. Segundo ele, o resultado é próprio da democracia, que prevê alternância de poder.

“Uma eleição você ganha, outra você perde. Democracia é isso. Se tivesse escrito que o PT não pudesse perder nunca, eu não ia criar um partido político. É uma disputa. Quem perdeu em 2012, ganhou agora. Quem ganhou agora pode perder em 2018. Essa é a beleza da democracia. É a alternância de poder. A troca de pessoas que governam”, disse Lula.

O ex-presidente participou, na noite dessa terça-feira (4), do 2º Encontro da Industriall Global Union, um encontro internacional que reuniu cerca de 1.500 sindicalistas, de 101 países, no Rio. Ao final do encontro, Lula falou com os jornalistas e comentou também a iniciativa de se fazer reforma na Previdência neste momento.

“Toda vez que tem uma crise econômica, as pessoas conservadoras que dirigem o país começam a falar em corte, em perda de direito, em reforma da aposentadoria. Nunca se fala em reforma da aposentadoria quando a economia está crescendo. Somente quando está em crise se fala nisso, como se fosse a aposentadoria a culpa da crise.”

Para o ex-presidente, não é justo equiparar as idades de aposentadoria de homens e mulheres. “Passar para 65 anos, igualando mulher e homem, é esquecer que a mulher às vezes tem tripla jornada de trabalho”.

Teto dos gastos públicos

Lula criticou a possibilidade de votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, que limita os gastos públicos nos próximos 20 anos, inclusive em áreas como educação e saúde. “Eu acho que o movimento sindical vai ter uma briga muito séria, porque a PEC 241, que congela investimentos em saúde e educação, é uma coisa seríssima. Porque não é possível melhorar a educação e a saúde sem investimentos.”

Sobre as reformas na legislação trabalhista, Lula disse que algumas coisas podem ser mudadas, mas outras devem permanecer como estão para proteger o trabalhador. “É preciso adequar e modernizar aquilo que já está superado na CLT [Consolidação das Leis do Trabalho], porque ela é de 1943. Pode ter coisa que precisa ser atualizada. O que não se pode prescindir é da proteção que a CLT dá aos chamados setores mais fragilizados do mundo do trabalho, os sindicatos mais fracos, mais pobres. Ela tem que ser mantida.”

Lula se mostrou contrário à privatização de empresas públicas e disse que isto é um problema que deveria incomodar o país. “Deve incomodar ao Brasil. Um governo que acha que só vai resolver os problemas vendendo o que tem é como o marido que fica desempregado e a primeira coisa que faz, ao invés de procurar outro emprego, é propor à mulher vender a cama, vender a geladeira, a televisão.”

O 2º Encontro da Industriall Global Union, que este ano tem como tema “A Luta Continua”, prossegue até sexta-feira (7), discutindo os impactos tecnológicos e políticos da modernidade sobre o sindicalismo e o trabalho.

Fonte: Agência Brasil


A sessão do Congresso Nacional convocada para a noite de ontem (4) caiu por falta de quórum. A reunião de deputados e senadores era destinada a apreciação de vetos, dos destaques à Lei de Diretrizes Orçamentárias e a votação do projeto de lei que libera créditos extraordinários para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Os parlamentares chegaram a apreciar os sete vetos presidenciais que trancavam a pauta, mas ainda analisavam os destaques a eles apresentados quando entraram em uma votação de requerimento para inversão de pauta. Neste momento, com votação nominal, foi observado que não havia quórum entre os senadores e a sessão precisou ser suspensa.

Uma nova sessão do Congresso foi convocada para esta quarta-feira (5), às 14h, para que os parlamentares concluam a votação que estava em curso e retomem a apreciação das demais matérias. No entanto, a reunião corre o risco de ser adiada novamente porque os deputados terão uma pauta cheia na Câmara, que inclui a votação de projeto de lei que altera as regras para exploração do pré-sal. O tema é polêmico e pode não haver espaço para a retomada da sessão do Congresso.

Fonte: Agência Brasil


Sob pressão para reduzir os gastos com a folha de pessoal, o governo federal estuda rever o salário inicial das principais categorias de servidores. A ideia é reduzir valores dos salários de ingresso no serviço público, considerados altos, e ampliar a distância em relação à remuneração recebida pelo funcionário no final da carreira.

Hoje, os servidores recém-aprovados em concursos públicos recebem salários muito elevados – bem acima dos registrados na iniciativa privada – e, em alguns casos, bastante próximos daqueles que estão no topo da tabela do plano de carreira.

No funcionalismo público federal, há salários iniciais que chegam perto de R$ 30 mil. É o caso do consultor legislativo do Senado, que ganha no início de carreira R$ 29,1 mil e, no final, R$ 30,54 mil.

Já um advogado da União começa ganhando R$ 18,28 mil e chega a um salário de R$ 23,76 mil ao final da carreira, de acordo com levantamento feito pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, com dados do Ministério do Planejamento. A pequena diferença salarial entre início e fim de carreira acaba sendo um incentivo para o aumento da pressão pelos “penduricalhos”, benefícios extras que se somam ao salários. É o que acontece agora com várias categorias que pleiteiam bônus de produtividade, como na Receita Federal.

Os integrantes da Advocacia-Geral da União (AGU), da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) e das procuradorias dos ministérios e do Banco Central já estão recebendo desde agosto honorários pelas causas ganhas pela União. Também serão autorizados a exercer advocacia privada, desde que não sejam causas contra o governo.

Na Receita, que tradicionalmente consegue se organizar com maior força para conseguir acordos mais vantajosos, o salário inicial é de R$ 15,74 mil. Um delegado da Polícia Federal recebe salário inicial de R$ 16,83 mil, enquanto um de fim de carreira ganha R$ 22,81 mil.

“O nível salarial de entrada é muito elevado. Muito maior do que na iniciativa privada”, disse uma fonte da área econômica envolvida na discussões. Uma mudança nessa estrutura é complexa, polêmica e exigirá o envio de projetos de lei alterando as diversas carreiras. Mas, para a área econômica, esse debate ganha força nesse momento.

O economista Pedro Bastos, professor da Unicamp, acredita que os elevados gastos com pessoal são “desperdício de munição”, principalmente em meio à recessão. Integrante da corrente de economistas favoráveis à expansão do gasto público para atenuar a queda da atividade econômica, o professor avalia que o governo teve a chance de conter esse processo para tentar preservar investimentos, mas definiu prioridades de forma equivocada.

Fonte: Estadão Conteudo


São Paulo – Teste realizado pelo site britânico Which mostrou números ruins para quem pensa em comprar um iPhone 7. A última geração do smartphone da Apple se saiu terrivelmente mal em um teste de duração de bateria.

Para ser mais específico, o iPhone 7 ficou como último colocado em um teste que envolvia quanto tempo de uso a bateria dos principais smartphones da atualidade aguentam. Ele foi colocado lado a lado contra outros produtos topo de linha nesse desafio.

Os competidores foram Samsung Galaxy S7, LG G5 e HTC 10. Destes, apenas o Galaxy S7 é vendido no Brasil. A LG optou por vender uma versão modificada do G5 por aqui. Já a HTC deixou de atuar oficialmente no Brasil.

Os dados divulgados são de tempo em uma ligação realizada pela rede 3G e tempo de uso de internet também pela rede 3G. O campeão nas duas categorias foi o HTC 10, com 1859 minutos (30 horas) para ligações e 790 minutos (13 horas) para navegar na internet.

No teste de ligações, o LG G5 ficou em segundo lugar com 1579 minutos (26 horas) e o Galaxy S7 logo atrás, com 1492 minutos (24 horas) de uso. O iPhone 7 mostrou um resultado tímido, com apenas 712 minutos (11 horas) de conversação.

No uso de internet, o S7 ficou em segundo lugar, com 677 minutos (11 horas) de uso. O LG G5 ficou com a terceira colocação, com 640 minutos (10 horas). O iPhone 7 ocupa a última colocação mais uma vez, com apenas 615 minutos (pouco mais de 10 horas) de navegação—aqui, vemos uma diferença mais estreita até o LG G5.

O HTC 10 tem uma bateria enorme, com 3.000 mAh. O iPhone 7, por sua vez, tem 1.960 mAh. Isso explica, em parte, o ótimo desempenho do HTC 10 e o baixo desempenho do iPhone 7.

Para mais informações sobre o teste, visite a postagem no blog da Which (em inglês).

Fonte: msn


Mano Morais e Vitor Martins saíram vitoriosos na disputa das eleições municipais na cidade de Mauriti, com 57,59% que é equivalente a 15.589 votos válidos, contra 42,41% que é equivalente a 11.482 votos válidos, Mano e Vitor serão os novos administradores a partir de 2017.

Em uma campanha limpa e unida que fez bonito durante os 45 dias, onde foram discutidas e apresentadas as diversas propostas de governo.

Outro ponto importante a se destacar nessa campanha, foram as pesquisas realizadas no município tanto do IBOPE quanto do IDHATA, as duas apontavam vantagens de Mano Morais contra o seu adversário, isso provou que ambas as pesquisas eram verdadeiras. 

O Nome de Mano Morais e Vitor Martins surgiram para o povo mauritiense como sendo uma união de dois jovens que trazia esperança de uma nova gestão onde todos pudesse participar. Além da vitória de Mano e Vitor, a coligação compromisso e verdade conseguiu eleger maioria dos seus vereadores. Conheça também todos os vereadores eleitos nas eleições de 2016.

Fernanda Martins – (PSDB) 1.854 votos

João Paulo – (PT) 1.603 votos

Almir Tavares – (PT) 1.297 votos

Samuel Coelho – (PDT) 1.270 votos

Romário Alencar – (PSDB) 1.268 votos

Teofilo Neto – (PT) 1.184 votos

Celminha – (PT) 1.151 votos

Rangel Cartaxo (PT) – 969 votos

Dede Leopoldo – (PDT) 951 votos

Auricelio Vieira – (PPS) 929 votos

Sarue – (PEN) 913 votos

Fabricio Braga (PT) – 896 votos

Dr. Zuza – (PDT) 821 votos

Dos atuais vereadores não foram reeleitos o Vereador Deuzivan (PT) e Doda Barbosa (PRB), e não se candidataram Cícero do Coité, Donizete Felipe e Sérgio Tavares. 


Página 34 de 35

Previsão do Tempo em Mauriti-CE