ESTREIAS-"A Noite do Jogo" e “Todos os Paulos do Mundo” chegam aos cinemas

Quinta, 10 Maio 2018 00:00

Veja um resumo dos principais filmes que estreiam no país na quinta-feira (10):

"A NOITE DO JOGO"

- Max (Jason Bateman) e Annie (Rachel McAdams) formam um casal perfeito, porque os dois são viciados em jogos, desde os de tabuleiros até charadas e mímica. Toda semana, recebem alguns amigos para partidas, nas quais perder não é uma opção para a dupla. A chegada de Brooks (Kyle Chandler), irmão do protagonista, transforma a brincadeira em algo mais arriscado e empolgante.

Brooks inova nos jogos. Voltou da Europa rico e contrata uma firma que encena sequestros e deixa pistas para que os demais jogadores encontrem a vítima e ganhem o prêmio. Porém, as coisas saem de controle quando o rapto acontece e pode não ser brincadeira.

O humor é bem-sucedido por levar a sério coisas impossíveis e transformá-las em algo cada vez mais absurdo. Bateman é conhecido por sua atuação em comédias, mas é McAdams quem rouba o show, como fez quando despontou em “Meninas Malvadas”.

"TODOS OS PAULOS DO MUNDO"

- É possível ler os movimentos de uma vida pelas palavras, atos, pensamentos. No caso do ator Paulo José, 81 anos, o mais simples é seguir as cenas de seus cerca de 50 filmes – aos quais se somam mais de 30 peças, 20 novelas e outro tanto de minisséries para a TV.

A partir de cenas de vários desses filmes, partindo do inaugural “O Padre e a Moça” (1965), o documentário “Todos os Paulos do Mundo”, de Gustavo Ribeiro e Rodrigo de Oliveira, compõe um impressionante e vivo mosaico da corporalidade desse ator que se emprestou a obras que percorreram o Cinema Novo (“Macunaíma” e “Todas as Mulheres do Mundo”) e todos os momentos seguintes no cinema brasileiro até agora.

Sem entrevistas ou depoimentos, as palavras, que são do próprio protagonista, são ouvidas de sua própria voz e de outros atores, como suas filhas Ana e Bel Kutner. Todos estes fragmentos encontram na tela uma surpreendente unidade.

Nem o desafio do mal de Parkinson, que o acomete há mais de 20 anos, foi capaz de detê-lo. O que perdeu em mobilidade e modulação da voz, ele compensa com uma energia sempre indomável. Este Paulo não poderia nunca ter nascido em nenhum outro lugar.

"ESPLENDOR"

- Premiado pelo júri ecumênico do festival de Cannes de 2017 e exibido na Mostra Internacional de São Paulo no mesmo ano, este singelo filme da diretora japonesa Naomi Kawase acompanha a relação delicada e conflituosa entre a jovem audiodescritora Misako (Ayame Misaki), empenhada em encontrar as palavras certas para descrever as cenas de filmes para plateias de deficientes visuais, e um fotógrafo, Masaya (Masatoshi Nagase), que já perdeu quase que completamente a visão. E de todos, Masaya é o mais crítico ao trabalho de Misako, de quem cobra rigor maior na escolha das palavras.

Para quem está prestes a perder a visão, a descrição de uma paisagem precisa ser rica e poética como a própria natureza. A diretora coloca frente a frente dois personagens que tem tudo para se completar: ele necessita da luz para enxergar, ela precisa encontrar as palavras certas para ajudá-lo a se mover na escuridão.

Tudo conspira para que ambos se aproximem e os sinais emitidos pelos demais sentidos de seus corpos são por demais evidentes. Mas não será fácil prosseguir nessa jornada entre luz e escuridão.

"DESEJO DE MATAR"

- Chega a ser injusto que esse filme tenha o mesmo nome do “clássico” de 1974 protagonizado por Charles Bronson, pois aqui tudo soa tão genérico que chamá-lo de remake chega a ser oportunismo. A história é mais ou menos a mesma, mas, nessas mais de quatro décadas, o tema foi tão copiado que se banalizou.

Bruce Willis assume o papel do vingador solitário que fará de tudo para um acerto de contas com os homens que mataram sua mulher (Elisabeth Shue) e deixaram a filha (Camila Morrone) em coma. De um médico pacífico, que não dá bola para provocações, a matador destemido é um passo no filme dirigido por Eli Roth.

Reacionário até a medula, “Desejo de Matar” funciona como mídia espontânea contra o controle de armas nos Estados Unidos e na defesa da justiça com as próprias mãos, quando o Estado parece não dar conta do combate à criminalidade sem ajuda externa.

"ACERTANDO OS PASSOS"

- Sabe aquelas comédias inglesas, de humor refinado, elenco afinado, que faz o espectador sair da sala de exibição com um sorriso no rosto? É esse o clima de “Acertando os Passos”, que narra as desventuras da aristocrática Sandra Abbott (Imelda Staunton), que descobre durante uma festa que seu marido, com quem é casada há 40 anos, tem um caso com sua melhor amiga.

Ao sair de casa para morar com a irmã (Celia Imrie), bem-humorada e completamente zen, Sandra encontra na dança de salão um estímulo para reorganizar a vida, convivendo agora com pessoas completamente diferentes de seu meio social.

O filme dirigido por Richard Loncraine tem um olhar carinhoso com a trupe, composta por homens e mulheres com mais de 60 anos, que enfrentam o envelhecimento com bom humor e solidariedade, artigos tão em falta no antigo mundo de Sandra.

 

Fonte: msn

Read 35 times

Compartilhar

COMPARTILHAR

Previsão do Tempo em Mauriti-CE

Agenda Cultural do Cariri

  • ok.jpg
  • 13.jpg
  • 15.jpg
  • 25.jpg
  • 42.jpg
  • damiao2.jpg
  • lora.jpg
  • lovyle.jpg
  • marcio.jpg
  • moto2.jpg
  • net.jpg
  • real2.jpg