Tecnologia 1081

Published in Tecnologia Julho 10 2018

Um novo tratamento para depressão foi aprovado pela Anvisa, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Diferente do que você poderia esperar, não estamos falando de um novo remédio químico, mas sim de um app chamado Deprexis.

A ferramenta ajuda o usuário a fazer autoavaliações durante sessões de 30 minutos, em pelo menos duas vezes por semana. O usuário responde algumas perguntas, e o app o ajuda a entender e perceber seus próprios sintomas, além de indicar algumas soluções para problemas cotidianos.

Contudo, o objetivo do app não é substituir consultas médicas com psiquiatras ou psicólogos. Em vez disso, ele serve como um tratamento de 90 dias que os médicos podem indicar para seus pacientes. Para ter acesso ao app, o paciente precisa inclusive detalhar o registro do seu profissional no CRM (Conselho Regional de Medicina). Só assim é possível comprar a licença da ferramenta no site do Deprexis. O tratamento custa R$ 990 para três meses, e os usuários podem experimentar o app antes de fazer a aquisição.

Uma opção promissora a ser considerada nos futuros tratamentos contra a depressão

Fora a aprovação da Anvisa para uso no Brasil, existem estudos comprovando que o app realmente funciona como tratamento contra depressão. “Não observamos nenhum efeito colateral negativo no formato misturado [psicoterapia e ferramenta on-line] (…) Este estudo oferece a primeira evidência de que o uso de um programa baseado na internet como uma ferramenta adjunta na psicoterapia regular poderia ser uma opção promissora a ser considerada nos futuros tratamentos contra a depressão”, detalha um trecho de um estudo publicado no Journal of Affective Disorders.

Até agora, o app só tinha permissão para funcionar na Europa. Seu lançamento no Brasil foi realizado em um evento do Instituto de Neurociências Aplicadas, que aconteceu no fim de junho em Gramado, interior do Rio Grande do Sul.

 

Fonte: TecMundo

Published in Tecnologia Julho 10 2018

O Timehop, um app que lembra usuários de redes sociais sobre posts de seu passado, revelou que sofreu uma grande violação de segurança em 4 de julho. De acordo com a empresa, 21 milhões de usuários tiveram alguma forma de dados pessoais roubada. Os invasores conseguiram também obter tokens de acesso que os teriam permitido visualizar os posts dos usuários no Facebook, Instagram, Twitter e Foursquare.

• Cientistas descobrem jeito de roubar senhas usando imagens térmicas do teclado
• WhatsApp testa aviso de link suspeito para tentar reduzir notícias falsas

No domingo (8), o Timehop fez um post de blog em que descrevia uma violação que aconteceu em 4 de julho. Notavelmente, seus servidores na nuvem não estavam protegidos por autenticação em múltiplos fatores, um protocolo de segurança que deveria ser padrão para qualquer empresa. Os hackers teriam tido acesso ao sistema do Timehop por pouco mais de duas horas.

A empresa publicou uma linha do tempo detalhada de sua resposta ao ataque, mas o que a maioria dos usuários quer mesmo saber é o que foi roubado e o que eles precisam fazer a seguir. Os nomes e os endereços de e-mail associados com 21 milhões de contas foram roubados, e 4,7 milhões dessas contas tinham um número de telefone associado a elas também. Isso já seria ruim por si só, mas o que pode ser ainda mais preocupante é que os invasores conseguiram assumir o controle dos tokens de acesso que o Timehop usa para pegar informações de contas de redes sociais. Em teoria, esses tokens poderiam ser usados para ver (e raspar) posts de rede social privados, que não foram tornados públicos. Porém, a companhia alega que desativou os tokens rapidamente e que não existe prova de que a conta de qualquer usuário tenha sido acessada.

No momento, o que podemos fazer é confiar na palavra do Timehop sobre o quão significativa essa violação foi e quanta informação foi acessada. Em seu relatório técnico, a empresa diz que um usuário não-autorizado acessou primeiro seu fornecedor de computação em nuvem em 19 de dezembro de 2017, fazendo um reconhecimento do sistema. Isso foi feito em outras quatro ocasiões, sem que os invasores fossem detectados.

A companhia diz que recorreu aos serviços de uma empresa externa de resposta a incidentes de segurança cibernética para conduzir uma auditoria de seu sistema, afirmando também que contatou as autoridades e que está trabalhando com seus parceiros de redes sociais para continuar monitorando outras violações. "Nenhum dado financeiro, mensagens privadas, mensagens diretas, fotos de usuários, conteúdo de rede social do usuário, números de previdência social ou outras informações privadas foram violados", afirmou o TimeHop.

Para garantir, os usuários que fizeram login no Timehop com um número de celular deveriam contatar sua operadora, criar uma nova senha e perguntar se existe alguma outra medida de segurança a ser tomada. Quaisquer usuários que queiram entrar novamente no Timehop terão que reautorizar o acesso de redes sociais do serviço, porque os tokens foram desativados.

Esta notícia é mais um lembrete de que dar a um app de terceiros acesso a seus dados de redes sociais significa confiar muito no aplicativo — e, geralmente, não é uma boa ideia.

Fonte: msn

Published in Tecnologia Julho 09 2018

O WhatsApp para iOS agora conta com uma ferramenta que informa seus contatos sobre a troca de número. Batizada de “Mudar número”, ela permite que o usuário altere o contato associado à sua conta no mesmo aparelho, sendo bastante útil na hora de pedir para que seus amigos façam a atualização do seu contato na agenda do telefone.

Após a troca de número, as informações da conta serão migradas automaticamente — incluindo dados do seu perfil, grupos e configurações do WhatsApp — do seu telefone antigo para o seu telefone novo. Além disso, seus contatos não poderão mais ver o número de telefone antigo como um contato do aplicativo, já que ele será desassociado do WhatsApp.

Apesar disso, mesmo com o recurso de mudança de número, se você continuar usando o mesmo aparelho, seu histórico de conversas seguirá disponível com o novo número de contato.

Atenção: Antes de mais nada, verifique se seu novo número pode receber SMS ou ligações e se possui uma conexão de internet ativa.

Passo 1: Toque em “Conta” e, em seguida, “Mudar número”.

 

Passo 2: Agora, toque em "Seguinte", que aparece no canto superior direito da tela, e depois adicione seu número de telefone atual e o seu novo contato.

 

Passo 3. Em seguida, ative a opção “Notificar Contatos". Aqui você pode escolher se prefere notificar todos, apenas as pessoas com quem você conversou ou, ainda, pessoas específicas da sua lista de contatos. Selecione a opção desejada e pressione “OK”.

 

Passo 4. Para finalizar, confirme seu novo número e toque na opção “Sim”. Você receberá, via SMS, um código de verificação para concluir a alteração de contato. Pronto! Agora seu número foi alterado, e seus contatos vão ficar sabendo em primeira mão.

 

Fonte: TecMundo

Published in Tecnologia Julho 09 2018

Quando se trata de lançamentos de produtos, a Apple pode ter seus segredos, mas também é bem previsível. Anúncios de novos softwares acontecem entre março e junho, durante a WWDC (como aconteceu neste ano), e o hardware chega entre setembro e dezembro.

Um novo rumor, que surgiu a partir de documentações enviadas à Comissão Econômica da Eurásia (EEC, na sigla em inglês), fez surgir algumas especulações a respeito de lançamentos nos próximos meses, mais especificamente até agosto. Mas não crie muitas expectativas.

O pessoal do 9to5Mac apontou, nesta quinta-feira (5), que a Apple enviou ao corpo executivo da Comissão Econômica da Eurásia uma papelada sobre cinco novos modelos de iPad e cinco novas configurações de Macs.

Geralmente, a Apple envia esses registros um mês antes do lançamento oficial, para passar por todos os trâmites regulatórios. Isso sugere que a empresa poderia mudar o seu cronograma padrão de lançamentos.

Não é o esquema tradicional da Apple, a não ser para pequenas atualizações de produtos. A companhia não realiza nenhum grande evento no meio do ano para lançamentos, e a última vez foi em agosto de 2006, com uma WWDC.

A companhia já colocou no mercado atualizações para o Mac Pro, MacBook Air e MacBook Pro entre julho e agosto, mas isso já faz alguns anos.

E é mais provável que tenhamos uma pequena atualização agora, se levarmos em consideração os detalhes da papelada. Os documentos sugerem que os iPads irão rodar iOS 11 e que os Macs estariam com o macOS 10.13 – ambas versões mais atuais de seus respectivos sistemas operacionais.

Como observa o 9to5Mac, geralmente a Apple atualiza o seu hardware e já coloca o mais novo software disponível. O iOS 12 deve ser lançado ao público entre setembro e dezembro, assim como o macOS Mojave (versão 10.14). Então, seria estranho a Apple lançar produtos agora, enquanto esses sistemas ainda não estão finalizados.

Porém, às vezes, a Apple é esquisita. E certamente há uma expectativa de que a linha de Macs e a de iPads sejam atualizadas antes do final do ano.

Lendo os números dos modelos – A1931, A1932, A1988, A1989 e A1990 para os Macs; A1876, A2013, A1934, A1979 e A2014 para os iPads –, temos mais uma dica do que pode estar acontecendo.

9to5Mac aponta que os modelos A1988, A1989 e A1990 poderiam ser novos SKUs (Unidade de Manutenção de Estoque) do MacBook Pro. Alguns benchmarks do Geekbench, divulgados no início do ano, reforçaram a possibilidade de um novo MacBook Pro com algumas melhorias no desempenho, e essa mudança deve-se ao fato de a Apple não atualizar a linha há um ano.

Quanto aos iPads, bem, é difícil dizer exatamente o que significam os números dos modelos. A Apple lançou no início deste ano seu iPad “barato”, custando US$ 330 e com suporte para o Apple Pencil. A linha Pro do iPad não é atualizada desde o ano passado, e alguns rumores sugerem a possibilidade de a Apple colocar a tecnologia Face ID no tablet. No mais, não parecem haver novidades o suficiente.

De qualquer forma, o momento da apresentação dos documentos – e alguns dos detalhes – parece estranho.

É comum a Apple entregar essa documentação à Comissão Econômica da Eurásia, e isso aconteceu quando eles lançaram o iPhone 7, Apple Watch Series 2, Apple Watch Series 1 e AirPods – sempre algumas semanas antes, a papelada estava no banco de dados da EEC. O mesmo aconteceu com o anúncio do novo Magic Keyboard e dos novos MacBooks e iPads, por exemplo.

Mas esse histórico consistente de lançamentos no EEC chegou ao fim no início deste ano. Na ocasião, a companhia registrou 11 novos números de modelos do iPhone no banco de dados, e nenhum deles foi ao mercado ainda.

Pode ser que a Apple tenha mudado a maneira como lida com essa documentação, tentando evitar furos jornalísticos. Mas nunca se sabe.

Fonte: msn

Published in Tecnologia Julho 08 2018

O famoso Telescópio Espacial Kepler, da NASA — a nave que descobriu milhares de exoplanetas desde o seu lançamento, em 2009 — está entrando na fase de aposentadoria de sua vida útil. A NASA anunciou na sexta-feira (6) que a equipe do Kepler "recebeu uma indicação de que o tanque está muito baixo" e "colocou a espaçonave em estado de hibernação, em preparação para baixar os dados científicos coletados em sua mais recente campanha de observação".

O Kepler sofreu um defeito mecânico em seu sistema de direção em 2013, forçando os cientistas a desenvolverem um inteligente plano alternativo no qual eles usaram a pressão dos raios do Sol para agir como um substituto para uma de suas rodas de reação que falharam. Essa nova fase, chamada K2, é imperfeita, e a NASA inicialmente acreditava que ela só permitiria dez campanhas de observação com o combustível restante. No entanto, ela funciona e permite que o Kepler observe pedaços do espaço por aproximadamente 83 dias por vezDe acordo com a NASA, enquanto a missão original Kepler descobriu 2.244 candidatos a exoplanetas e 2.327 exoplanetas confirmados, a missão estendida do K2 conseguiu identificar 479 candidatos e confirmar 323 outros. A nave está atualmente em sua 18ª campanha de observação do K2.

A NASA é incapaz de determinar a quantidade exata de combustível restante dentro do Kepler, já que não há um medidor de gás a bordo. No entanto, uma vez que está no espaço profundo da órbita da Terra, a cerca de 151,2 milhões de quilômetros de distância, e não há risco de atingir outro corpo astronômico potencialmente vivo, como uma lua gelada, a agência está livre para continuar trabalhando na espaçonave até que ela morra.

Segundo a NASA, a equipe do Kepler colocou a nave em modo de hibernação até agosto, quando planeja ligá-la novamente e usar a Deep Space Network, também da agência, para transferir dados de missão de volta à Terra. Se isso for bem-sucedido, eles planejam iniciar uma 19ª campanha de observação com o combustível restante.

O Kepler descobriu que o nosso Sistema Solar é único em comparação com outros, que incluem gigantes gasosos em proximidade perigosa de suas estrelas hospedeiras, sistemas estelares binários e anãs vermelhas orbitadas por diversos mundos rochosos. O telescópio encontrou também um planeta que espelha estranhamente muitas das características da Terra. Embora ainda esteja em operação limitada, a NASA já lançou um sucessor, o Transiting Exoplanet Survey Satellite, que enviou de volta uma incrível imagem de milhares de estrelas em março de 2018.

Fonte: msn

Página 9 de 121

Commentários

Share on Myspace

Compartilhar

COMPARTILHAR

Previsão do Tempo em Mauriti-CE

Agenda Cultural do Cariri

  • felix.jpg
  • juazeiro.jpg
  • 13.jpg
  • 15.jpg
  • 25.jpg
  • 42.jpg
  • damiao2.jpg
  • lora.jpg
  • lovyle.jpg
  • marcio.jpg
  • moto2.jpg
  • net.jpg