Jovens de famílias de agricultores são aprovados no IFCE e UFC

Dois estudantes cearenses que vieram de famílias de agricultores alcançaram resultados de destaque no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Angélica Soares, de 17 anos, obteve 940 pontos na redação do exame, além da aprovação para cursar licenciatura em Geografia no Instituto Federal do Ceará (IFCE), no campus de Iguatu. Davi Magalhães Muniz, também de 17 anos de idade, foi aprovado no curso de Medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Angélica mora em uma comunidade rural, distante 20 quilômetros da sede do Município de Várzea Alegre, na região do Cariri cearense. Diariamente a jovem fazia um percurso de aproximadamente 50 km para ir e voltar da escola. As dificuldades foram acentuadas com o isolamento social e as aulas remotas, devido às limitações de acesso à internet.

Vinda de uma família de agricultores, a jovem deseja ser professora, e mesmo antes da pandemia do novo coronavírus, já se mostrava focada em seus estudos. Isabel Eliane, professora de Língua Portuguesa e Redação, conta que Angélica sempre foi uma aluna dedicada. “Em suas conversas, constantemente dizia ter metas traçadas para a sua vida e mesmo com as dificuldades conseguia realizar seus propósitos”, diz a professora.

A estudante gosta muito de ler e dedicava muito do seu tempo de intervalo entre as aulas na biblioteca da escola. Segundo Eliane, Angélica criou um grupo de estudos on-line com seus colegas e ministrava aulas de Redação, Português e História durante os encontros. Uma das estratégias adotadas pela jovem para alcançar os 940 pontos na redação do Enem foi estudar as técnicas de correção do exame, além de manter um bom repertório de leitura, destaca a professora.

Com a boa média obtida no exame, a neta de agricultores decidiu cursar licenciatura em Geografia pelo Instituto Federal do Ceará (IFCE), no campus de Iguatu. Angélica tem muitas expectativas para o curso superior. Ela conta que quer ampliar seus conhecimentos na área e busca a troca de experiências que colaborem não tanto em sua formação acadêmica, mas também na social. Além da licenciatura, ela planeja, futuramente, fazer um mestrado e estudar Letras.

Filho de agricultor e empregada doméstica aprovado em Medicina na UFC

Davi concluiu o ensino básico na Escola de Ensino Médio em Tempo Integral (EEMTI) Deputado Joaquim de Figueiredo Correia, em Iracema-CE, município da Serra do Pereiro, no Ceará. Filho de um agricultor e uma empregada doméstica que não chegaram a concluir o ensino fundamental, ele é o segundo da família a ingressar no ensino superior. Seu irmão mais velho, de 20 anos, já cursa Licenciatura em Matemática na Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa).

Ao longo de sua trajetória estudantil, ele se deparou com vários desafios, mas não se sentiu desmotivado na busca pelos seus sonhos. Quando cursava a segunda série do ensino médio, aos seus 15 anos, Davi descobriu ter esclerose múltipla, doença do sistema nervoso que ainda não tem cura. Apesar do momento complicado, contou com o apoio da família e da escola para superar o seu maior desafio.

A escolha do curso de Medicina, segundo Davi, foi influenciada tanto pela possibilidade de proporcionar melhor qualidade de vida à família, como também, pela aptidão por servir o próximo. Ele conta que sempre gostou de auxiliar as pessoas e acredita que na profissão médica poderá ajudar, como foi ajudado quando necessitou.

Ele estudará no campus da UFC em Fortaleza, mas faz planos para retornar para sua cidade após sua formação, pois acredita que no interior do Estado existe muita carência deste tipo de serviço e pretende ajudar nesta causa.

Fonte: opovo

Notícias Relacionadas