Pederneiras e seu estilo de orientar: “Se não quiser ouvir grito, nem me chama”

O podcast Mundo da Luta desta semana conversa com Dedé Pederneiras, líder da equipe Nova União. Marcelo Russio, Gleidson Venga e Ana Hissa bateram um papo com o técnico, que falou, entre outros assuntos, da fase de José Aldo, atualmente no peso-galo do UFC e que enfrenta Rob Font na luta principal do UFC de 4 de dezembro, em Las Vegas, e do seu estilo de passar instruções, sempre com muita intensidade no córner. Ouça no player acima!

– A coisa que eu mais quero é parar de viajar. Quando alguém me contrata para ser seu corner, eu aviso que vou fazer de tudo pra essa pessoa vencer. Então eu grito mesmo, dou esporro, e quando ele ou ela não me obedecem, o bicho pega no vestiário depois, ainda mais se perder. Esse é o meu jeito, e eu coloco o dedo na ferida mesmo, mando fazer o que tem que fazer e falo o que tenho que falar. Só paro de gritar quando tem mais alguém no corner que começa a falar também. Não estou ali pra competição de quem fala mais. Se sou eu quem vai dar instruções, eu vou falar sozinho. Quem não quiser ouvir grito, nem me chama.

Outro ponto abordado por Dedé Pederneiras foi a polêmica envolvendo José Aldo e Khabib Nurmagomedov. O russo teria dito que Aldo não conseguiria chegar a um segundo auge da carreira no peso-galo, e o brasileiro respondeu que ele estava falando muito, mas quando lhe ofereceram seu nome para lutar, ele não quis. O treinador revelou uma conversa com o empresário de Khabib, Ali Abdelaziz, sobre o assunto.

– Um dia meu telefone tocou e o Ali (Abdelaziz) veio falar comigo dizendo que traduziram uma fala do Khabib da forma que quiseram, para gerar barulho, e me garantiu que o Khabib falou a ele que respeita muito o Aldo e jamais disse nada sobre ele em entrevista nenhuma.

O programa também analisou o UFC Vieira x Tate, que aconteceu no último sábado e teve quatro vitórias brasileiras, incluindo na luta principal, na qual a peso-galo Ketlen Vieira derrotou a veterana e ex-campeã Miesha Tate por decisão unânime dos juízes.

Informações do site GE


Notícias Relacionadas