Pai e filho são condenados por tortura contra funcionários no interior do Ceará

Dois homens, pai e filho, foram condenados nesta quarta-feira (24), por tortura contra funcionários, cometida em outubro de 2020. Os mandados de prisão foram expedidos em abril deste ano, em Aurora, município do interior do Ceará. Uma das vítimas chegou a ter um dente removido, de acordo com as investigações da Polícia Civil do Ceará (PCCE).

O pai, José Ribamar Gonçalves, foi condenado a 12 anos e seis meses de reclusão, enquanto Francisco Neto, o filho, a nove anos e três meses. Na decisão judicial também foi negado aos réus o direito de recorrer em liberdade.

De acordo com o MPCE, ambos foram denunciados por torturar dois funcionários de um estabelecimento comercial gerenciado por eles. Pai e filho, supondo que os funcionários teriam subtraído uma quantia em dinheiro do comércio, torturaram as vítimas em busca de uma confissão.

Operação Cruciatus

A operação que resultou na prisão dos dois em abril deste ano foi denominada “Cruciatus”, que significa “tortura” em latim. Um veículo também foi apreendido com um dos suspeitos (o mais jovem). Ainda durante a ofensiva, dois mandados de prisão por roubo foram cumpridos contra outros alvos de outros crimes.

O jovem preso já havia sido capturado em 2006, suspeito de participação no arrombamento a uma agência bancária em Ipaumirim, outro município do interior. O suspeito foi abordado na residência dele, onde também foi apreendido um automóvel de cor cinza.

Já o segundo mandado de prisão foi cumprido em desfavor do pai dele, que já se encontrava em uma unidade prisional da região após ter sido preso por receptação. Os mandados de prisão preventiva contra os dois foram expedidos no dia 31 de março, em decorrência de uma investigação de crime de tortura ocorrido em outubro de 2020, de acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS).

As investigações foram conduzidas pela Polícia Civil e embasadas nos exames realizados pela Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce), que atestaram as agressões. As prisões permitirão a realização de novas diligências, que terão como objetivo concluir o inquérito policial. A PCCE investiga ainda a participação dos suspeitos em outros crimes ocorridos na região.

Com informações do G1 CE

Notícias Relacionadas